Caligrafia e Lettering

Síntese do Curso

Daremos hoje início ao nosso Curso de Caligrafia e Lettering primeiramente nos perguntando: Qual a utilidade de um Curso de Caligrafia nos dias de hoje? As vantagens são muitas, entre elas: auxiliar os pais e mestres na formação do caráter e na educação básica da criança, beneficiar os jovens no desempenho de suas tarefas escolares, auxiliar os adultos em concursos públicos, estimular os trabalhos artísticos, e desenvolver, sobretudo, o aperfeiçoamento pessoal e espiritual do aluno.

Para isso, colocaremos à disposição de todos apostilas de exercícios para crianças, jovens e adultos, munidas do alfabeto da Manuscrita Inglesa e da Manuscrita Floreada para trabalhos artísticos.

Na Introdução veremos uma breve história da evolução da nossa escrita, desde o Alfabeto Etrusco, passando pela Minúscula carolíngea e o surgimento da Grafologia no séc. XIX, pelo Abade Jean-Hippolyte Michon. O ato de escrever é resultado de um comando cerebral. As porções da escrita são como janelas abertas onde deixamos assomar a nossa psicologia.

A escrita pode também agir em nossas tendências! Quando na sociedade há uma crise, até mesmo as expressões artísticas sofrem sua influência. Cabe a nós criar modelos-base em nossa grafia para estimular a prática de bons hábitos na sociedade, através de uma bela escrita. A beleza é o esplendor da forma. Para sermos capazes de levar aos nossos semelhantes “a beleza que salvará o mundo” (Carta aos artistas, de São João Paulo II) e em fidelidade ao nosso carisma, é preciso que todo Arauto do Evangelho revista de cerimonial seus atos quotidianos, pois só inundando-se do belo poderá transbordá-lo para o mundo.

Desejamos um ótimo Curso de Caligrafia e Lettering a todos. Muita constância e fé, pois, no dizer de Santo Agostinho, “enquanto houver vontade de lutar haverá esperança de vencer”.

Ir. Pablo Veloso Montalvão Ir. Pablo Veloso Montalvão

Com carisma e incansável zelo pelo apostolado com famílias e jovens, conduz a todos com alegria, vitalidade e incansável dedicação no serviço de Deus, através das artes, da cultura e da doutrina católica. O Ir. Pablo Veloso é membro da Sociedade Clerical Virgo Flos Carmeli, e professor de “Lettering”, ou Caligrafia. Foi professor do Colégio Arautos do Evangelho de Montes Claros e há 18 anos é formador e animador da juventude.

Aulas do curso

Bibliografia

BIRD BURGOS, Nélida. As letras que curam: Os benefícios da grafoterapia. Rio de Janeiro: E-papers, 2002.

BRANCO, Andréa. Caligrafia em convites. https://assinatura.eduk.com.br

CORRÊA DE OLIVEIRA, Plinio. Revolução e Contra Revolução. 5ª ed. São Paulo: Retornarei, 2002.

______. Ambientes, Costumes, Civilização. São Paulo: Catolicismo, 1951.

______. Pensamento Filosófico. Revista Dr. Plinio. São Paulo: Retornarei.

Curso do Instituto Universal Brasileiro – Caligrafia 06 Volumes –Manuscrita Inglesa, Ronde Francesa e Gótica Alemã.

GUAITOLI, Valentin Dercy. ABC da Caligrafia Inglesa. http://www.caligrafiagratis.com.br/ https://super.abril.com.br/saude/11-maneiras-de-o-clima-influenciar-o-comportamento-e-a-saude/ Publicado em 17 maio 2016.

KASUO TAKAYANAGI, Roberto. Dona Lucilia. Peregrinando em um olhar. São Paulo: Retornarei, 2018.

LUGINGER, Sônia Amorim. Aspectos psicológicos da grafologia. Trabalho de licenciatura. 2005. https://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0044.pdf.

NISSOLA, Ivo. Manual de Caligrafia. https://docplayer.com.br/14217709-Nota-do-autor-capa-ivo-nissola-diagramacao-ivo-nissola.html.

REVISTA GEONORTE. Clima e saúde: diálogos geográficos. Vol. 8, N. 30, 2017.

TEILARD, Ania. El alma y la escritura. Madrid: Paraninfo, 1974.

TOMAS DE AQUINO. In quattuor libros Sententiarum. Stuttgart- Bad Cannstatt, Thomae Aquinatis Opera Omnia, 1980.

VANIN, Nilton. Grafologia, Manual Prático Ilustrado. Blumenau: CEGRAF, 2018.

XANDRÓ, Mauricio. Grafología Elemental. 4ª ed. Barcelona: Herder, 1989.

______. Grafologia para todos. Tradução Ruth Rejtman. São Paulo: Ágora, 1998.

______. Grafología Superior. 4ª ed. Barcelona: Herder, 1991.

______. Los complejos de inferioridad en la escritura. 2ª ed. Madrid: Paraninfo, 1976.

Tenha acesso a este conteúdo agora mesmo! Inscreva-se agora!